Trump e democratas batem boca sobre muro na fronteira

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, discutiu abertamente com dois importantes parlamentares do partido Democrata na Sala Oval nesta terça-feira sobre o financiamento do governo, levantando questionamentos sobre se um acordo é possível antes do prazo final mais adiante neste mês.

PUBLICIDADE

EUA destacam 5.200 militares para a fronteira com o México

Em uma memorável discussão pública, do tipo que é dificilmente vista diante de câmeras, Trump brigou com o líder democrata no Senado, Chuck Schumer, e com a líder democrata na Câmara, Nancy Pelosi, sobre o financiamento para o muro que ele prometeu construir na fronteira sul do país com o México.

“Se não conseguirmos o que queremos, de um jeito ou de outro – seja com vocês, seja com os militares, seja com qualquer coisa que você queira chamar – eu vou fechar o governo”, disse Trump enquanto a discussão acalorada crescia ainda mais.

“Eu me orgulho de fechar o governo por segurança na fronteira, Chuck, por que o povo deste país não quer criminosos e pessoas que estão cheias de problemas e drogas entrando no país”, disse Trump antes dos jornalistas deixarem seus assentos no salão.

O vice-presidente Mike Pence ficou ao lado de Trump, em silêncio e de cara fechada.

O Congresso busca finalizar o Orçamento antes do vencimento do financiamento do governo federal no dia 21 de dezembro. Embora os republicanos de Trump controlem tanto a Câmara quanto o Senado até o mês que vem, o apoio dos democratas é necessário para aprovar qualquer legislação relacionada a gastos.

Trump pediu ao Congresso 5 bilhões de dólares para segurança na fronteira, enquanto Schumer e Pelosi disseram que ofereceram estender o financiamento no nível atual, a aproximadamente 1,3 bilhão de dólares. O valor é ainda menor que os 1,6 bilhão de dólares aprovados por um comitê bipartidário do Senado.

A reunião não durou muito depois que os jornalistas foram escoltados para fora do Salão Oval. A porta-voz da Casa Branca, Sarah Sanders, disse em nota que o episódio foi “um diálogo construtivo” e que Trump estava “agradecido” que as câmeras a capturarem lutando para proteger a fronteira.

De volta no Capitólio, Schumer acusou Trump de dar um xilique, mas também contou a jornalistas que Trump havia dito aos democratas que consideraria suas propostas de orçamento.

Pelosi, que disse a jornalistas que pensava que os democratas tinham deixado as coisas “em um lugar bom”, disse que havia rezado com Trump durante a parte particular da reunião, relembrando a história bíblica na qual o Rei Salomão se voltava a Deus em busca de sabedoria.

Após a reunião, o braço democrata de captação de recursos da Câmara imediatamente enviou um e-mail pedindo dinheiro aos seus apoiadores.

‘Se chama transparência’

Foi a primeira vez que Trump se encontrou com Pelosi e Schumer desde que os democratas conquistaram a maioria na Câmara dos Deputados nas eleições parlamentares do dia 6 de novembro – um início tumultuado de uma relação que a Casa Branca terá com o partido de oposição, com quem precisará lidar para avançar em sua agenda de prioridades.

A briga começou quando Pelosi disse a Trump que os norte-americanos não gostariam de ver uma “paralisação de Trump”, o que irritou o presidente. Trump interrompeu Pelosi, argumentando que não conseguiria avançar um projeto de orçamento sem votos dos democratas no Senado.

“Se eu precisasse de votos para o muro na Câmara, eu os teria em uma sessão, isso já estaria feito”, gabou-se Trump.

“Tudo bem então, vá lá e faça, vá lá e faça isso”, rebateu Pelosi.

A equipe da Casa Branca assistiu a discussão dos cantos da sala, entre eles Jared Kushner e Ivanka Trump, o chefe de gabinete John Kelly, que está de saída, o assessor de imigração Stephen Miller e Shahira Knight, diretora legislativa do presidente.

“Eu não acho que deveríamos ter um debate assim na frente da imprensa”, disse Pelosi.

“Estamos fazendo isso de uma maneira muito amigável”, disse Trump.

Schumer, então, falou sobre os “Pinóquios” que Trump recebeu do Washington Post por distorções sobre o tema e acusou ele de querer as coisas de seu próprio jeito.

“Vamos dar um fim a isso”, disse Pelosi, enquanto os dois homens continuavam a discutir. “Não é ruim, Nancy – se chama transparência”, disse Trump.

Fonte:INTERNACIONAL por Reuters /R7Noticias