Coração arrancado por assassino foi levado para filha da vítima e deixado em tanque; retirada do órgão é complexa

Fonte: Portal Sorriso

Lumar Costa da Silva, 28 anos, apontado como o acusado de arrancar o coração da própria tia – crime grotesco registrado em Sorriso ontem à noite – deixou o órgão na casa de uma das filhas da vítima, Patrícia Cosmos, confessando o assassinato. Em seguida, deixou o coração em cima de um tanque de lavar roupas. Um especialista procurado pela reportagem aponta que a retirada do órgão é extremamente complexa.

Maria Zélia da Silva Cosmos, 55 anos, foi assassinada com requintes de crueldade em sua casa, no bairro Vila Bela. Um médico ouvido pelo Portal Sorriso, que preferiu não se identificar, detalhou que remover o coração de uma pessoa é um procedimento difícil.

Sem especificações técnicas para compreensão dos internautas do PS, o médico explanou que para remover o órgão é preciso serrar o osso esterno, que é encontrado no meio do peito, e é responsável por sustentar a clavícula e a costela. Posteriormente, se abre o tórax por completo, já que o coração fica exatamente em seu centro (e não do lado esquerdo como é popularmente dito nas canções e poesias).

“Ele abriu o tórax e provavelmente fez todos os outros cortes dos vasos do coração para remoção do órgão. Isso não é simples de se fazer porque o coração fica no centro do tórax. Depois, cada grande vazo sanguíneo é cortado e retirado. É um procedimento muito complexo. Quando feito pelos médicos é realizado exclusivamente em lugares de transplantes cardíacos, em grandes centros, devido à complexidade”, frisou o médico que também se chocou com o crime bárbaro registrado ontem em Sorriso.

Duas facas usadas no crime foram encontradas pelos peritos na casa da vítima. Após matar a tia, o acusado que foi à casa de uma das filhas da vítima e ameaçou matar a proprietária da casa, Patrícia.

Ele usou o carro dela para fugir. Porém, posteriormente Lumar foi detido pela Polícia Militar após invadir um terreno da concessionária de energia em Sorriso, localizado na Marginal Esquerda.

Informações a serem apuradas dão conta de que o acusado do crime teria dito que após matar a tia queria apagar as luzes da cidade para matar o máximo de pessoas possível.

Familiares também relataram que Lumar era usuário de drogas e já tinha tentado matar a própria mãe com um facão em São Paulo.

Poliglota, que falava cerca de três idiomas, o suspeito, que é natural de Campinas (SP), trabalhava em uma grande empresa em São Paulo e tinha vindo recentemente para Sorriso.

Lumar, ao morar com a tia, teria se envolvido em uma briga e ameaçou matar os vizinhos. Ele saiu do imóvel a pedido da tia e foi morar em uma quitinete, mas ontem decidiu matar a parente.