Dr. Alex Manhaguanha preside Audiência sobre Segurança Pública

Fonte: Noticia Vip

Uma audiência pública foi realizada na Câmara Municipal de Vereadores de Peixoto de Azevedo para tratar sobre a estrutura, serviços e projetos ligados a área de segurança pública local. O evento aconteceu no auditório do Poder Legislativo e foi presidida pelo autor da proposição Dr. Alex Manhaguanha.

Estiveram presentes o Promotor de Justiça, Dr. Marcelo Mantovani, Comandante do 15º CRPM Coronel James Ferreira, Presidente do CONSEG Édson dos Santos e representantes de Clubes de Serviços, Corpo de Bombeiros Militares, Secretários Municipais, Imprensa e a municipalidade Peixotense.

Dentre os assuntos debatidos, a retomada e conclusão do Centro de Detenção Provisória, a obra está paralisada e demanda recursos da ordem de R$ 8 milhões. Também foi cobrada a permanência do 15º Comando Regional de Polícia Militar no município, já que se cogita a transferência para a cidade de Guarantã do Norte.

Outro assunto que esteve em foco diz respeito a formalização de parcerias para construção da sede própria da Polícia Judiciária Civil, ou do Complexo de Segurança Pública que reuniria na mesma estrutura a PM, DEPOL, POLITEC e o Corpo de Bombeiros.

Questões ligadas a reestruturação das Forças de Segurança no campo do aumento de efetivo policial, tecnologia de comunicação e investigação, atualização dos materiais bélicos e ampliação da logística de viaturas foram mencionadas.

O vereador Dr. Alex Manhaguanha cobrou uma ação mais veemente e contundente da Gestão Municipal, quer seja politica ou administrativamente para que o CR15 permaneça em Peixoto de Azevedo, não apenas pelo posicionamento estratégico da cidade, mas principalmente por que o município abrigará mais de 256 reeducandos depois da conclusão do Centro de Detenção Provisória – CDP.

“Não é justo com a população, na verdade é uma falta de visão e comprometimento com a segurança pública. Que sentido faz, ou qual é o benefício para a comunidade, termos aqui um CDP sem a estrutura operacional e de combate ao crime do Comando Regional de Polícia Militar. Como legislador e sendo o interlocutor do povo, cobro que o Chefe do Executivo busque todos os embasamentos técnicos e utilize de sua influencia política para que o 15º CRPM seja mantido em Peixoto de Azevedo, e se necessário providencie uma contrapartida maior de colaboração para que isso seja possível”, declarou o Vereador Dr. Alex.

No que se refere a retomada das obras e conclusão do Centro de Detenção Provisória, o legislador lembrou que a atual Unidade Prisional tem capacidade apenas para 40 está superlotada com mais de 140 reeducandos. Ele sugeriu que um documento coletivo de todos os poderes constituídos e da sociedade organizada seja elaborado e encaminhado para a Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública, afim de pressionar as esferas de governo a sanar esta grande problemática.

“Mas vou além, lembro-me muito bem, os acordos firmados para que o CDP pudesse ser construído em Peixoto de Azevedo, entre eles: a pavimentação asfáltica ligando a BR-163 pela Rua Zé Doca até o Complexo Prisional. Bem como, maiores investimentos da Secretaria de Estado de Saúde no Hospital Regional em termos de melhoria da estrutura física, reaparelhamento e ampliação do quadro de especialidades de média e alta complexidade, e principalmente a implantação do Centro Integrado de Segurança Pública composto pelas polícias militar e judiciária civil, POLITEC e o próprio Corpo de Bombeiros”, mencionou o vereador Dr. Alex Manhaguanha.

Durante a audiência pública o parlamentar municipal solicitou celeridade da Prefeitura de Peixoto de Azevedo no sentido de efetuar a doação de um terreno para construção da Delegacia de Polícia Judiciária Civil. Ele lembrou que com a ajuda do MPE, CONSEG e da Sociedade Organizada estão sendo levantados recursos financeiros para o início das obras, e é preciso urgência no processo de destinação da área para edificação do prédio.

“Quero informar a população que em contato com a Diretoria Executiva da UNIFAMA conseguimos viabilizar a elaboração do Projeto de Engenharia e Arquitetura da Delegacia Municipal de Polícia Civil, ou seja, até mesmo deste custo a administração será isentada. O mínimo que pode ser feito é desenrolar a definição e doação do terreno para que os gabaritados engenheiros da faculdade comecem a trabalhar a planta da sede própria da DEPOL”, explicou Dr. Alex Manhaguanha.