Entidades e indústria debatem estratégias para reduzir casos de brucelose em Mato Grosso 02/04/2019 19:11

A diretoria do Sindicato das Indústrias Frigoríficas de Mato Grosso (Sindifrigo-MT) se reuniu com representantes do Ministério da Agricultura, Indea, Famato, Acrimat para discutir sobre a brucelose, cuja vacinação é obrigatória em duas etapas semestrais por ano, em Mato Grosso, utilizando dose única da vacina B19 em fêmeas de 3 a 8 meses de idade. A primeira começou em janeiro e vai até 30 de junho, com prazo máximo de comunicação até 10 de julho. A segunda é de 1º de julho a 31 de dezembro, com prazo máximo de comunicação até 10 de janeiro do ano seguinte.

A indústria se mostrou receptiva a solicitação do ministério da Agricultura e do Indea e se comprometeu com o engajamento para a erradicação da Brucelose em Mato Grosso. Para Janice Leones Pardal, chefe de Serviço da Saúde Animal da superintendência Federal de Agricultura em Mato Grosso, “é imprescindível a entrada, o alinhamento da indústria nesse projeto todo porque quando a gente vai fechar o ciclo da eliminação de animais positivos, a prevalência da brucelose é alta no Estado e precisa ser diminuída. Com isso nós temos duas ferramentas, uma delas é a vacinação que está sendo feita e a outra eliminar a fonte de infecção que está dentro da propriedade A única maneira de fazer isso é via frigorífico, um animal uma vez identificado como reagente vai para o frigorífico para que possa ser abatido, e aí a gente conseguiu eliminar o problema da propriedade”.

“Mato Grosso tem a maior prevalência do país, nós em 2002 tínhamos tido 48 propriedades com pelo menos um animal positivo, 10% das fêmeas positivas também, no segundo estudo ano, depois com a vacinação muito intensa, nós chegamos a 24% de propriedades notificadas, e 5.1% de fêmeas reagentes, foi uma queda significativa, no entanto muito alta e em comparação à Santa Catarina e Rio Grande do Sul, que é o outro extremo, tem 0,6% de prevalência. Então, Mato Grosso com o maior rebanho bovino do Brasil tem também a maior prevalência e responsabilidade”, afirma Pardal.

Segundo Marcos Coelho de Carvalho, analista de pecuária da Famato, “a partir do instante que foi criado o comitê de combate à Brucelose em Mato Grosso, e que a indústria começou a integrar, encaramos esse problema e realmente buscamos controlar a doença dentro do Estado. Para isso, temos incentivado o produtor, ele tem que sentir-se incentivado a buscar medidas de controle da doença, como a vacinação”.

O representante da Acrimat (Associação dos Criadores de Mato Grosso), Francisco de Sales Manza, ressalta que “é fundamental a indústria participar dessa discussão acerca da doença, já que a indústria não funciona sem a matéria prima que vem do produto. É importante a cadeia estar alinhada, e a carne chegar certificada na mesa do consumidor”.

A informação é da assessoria do Sindicato das Indústrias Frigoríficas de Mato Grosso.

Só Notícias (foto: assessoria)