Estado confirma duas mortes por dengue hemorrágica nas cidades de Confresa e Primavera do Leste

Fonte: Agência da Notícia

Duas mortes por dengue hemorrágica foram confirmadas pela Secretaria Estadual de Saúde (SES) nesta quarta-feira (26). Os óbitos aconteceram em Confresa e Primavera do Leste, respectivamente).

O primeiro caso teve como vítima uma menina de 10 anos. Ela deu entrada na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Primavera do Leste com sintomas de dengue no dia 3 de maio.

A criança precisou ser encaminhada para uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI) de Rondonópolis, mas não resistiu.

No dia 7 de maio, uma adolescente de 16 anos também morreu após contrair dengue. Ele chegou a ficar internada no Hospital Regional de Confresa, mas, após apresentar melhoras, voltou para casa com a família.
No dia seguinte, a jovem teve uma piora no quadro de saúde e foi internada novamente em estado grave. Ela acabou morrendo no mesmo dia.

Além das mortes, dois outros casos de dengue hemorrágica estão sendo investigados pela pasta, sendo um deles em Alto Araguaia e outro em Canarana.

Notificações no Estado

De janeiro até 22 de junho, 10.622 casos de dengue foram notificados em Mato Grosso.

A cada 100 mil habitantes, aproximadamente 317 apresentaram sintomas da doença. Em Cuiabá, foram 341 notificações; já em Sinop (a 503 km de Cuiabá) foram 1.172.

Devido ao alto número, Sinop foi considerado como em situação de risco pela equipe da Vigilância Epidemiológica da SES-MT. O número de casos cresceu consideravelmente, já que no mesmo período em 2018, o município havia registrado 354 notificações da doença.

Rondonópolis (a 218 km da Capital) foi considerada como de risco médio pelo boletim. Até dia 22 de junho deste ano, foram 450 casos, enquanto no mesmo período de 2018 a cidade havia registrado 46 notificações.

Em Várzea Grande, na região metropolitana de Cuiabá, foram 46 notificações de dengue. Assim como a Capital, o município reduziu o número de casos, já que em 2018 foram 1.480 desde o início da semana.

Ainda conforme o boletim, até 22 de junho deste ano, nenhuma morte por Zika ou Chikungunya foi registrada em Mato Grosso, assim como nenhum caso das doenças está sendo investigado.