Ladrões abrem empresa, fingem ser funcionários de concessionária e são presos em MT com uniformes e padrão de energia

Dois homens suspeitos de furtar cabos de energia foram presos pela Polícia Civil em Cuiabá. Segundo a Delegacia Especializada de Roubos e Furtos de Várzea Grande (DERF-VG), eles furtaram cerca de R$ 150 mil em produtos.

A prisão ocorreu na terça-feira (13) e foi divulgada nessa quarta-feira (14).

Segundo as investigações, os suspeitos abriram uma empresa de fachada, se passavam por funcionários de uma concessionária de energia e cometiam furtos de padrões e materiais.

Rafael Lanes da Silva e Junior Carlos Ferreira de Souza, ambos de 33 anos, foram autuados em flagrante pelos crimes de furto, receptação e associação criminosa.

Eles foram surpreendidos pela Polícia Civil em uma residência no bairro Jardim Imperial, em Cuiabá.
Os dois foram descobertos durante investigação sobre furtos de padrões de energia cometidos em Várzea Grande, região metropolitana de Cuiabá.

A dupla agia se passando por funcionários da Energisa, concessionária de energia do estado. Eles chegavam até as residências e furtavam os padrões, a unidade consumidora e fios ramal para instalação.

Os suspeitos usavam um veículo, modelo Strada, para praticar os furtos, em nome de Rafael Lanes, e ainda criaram uma empresa de fachada especializada em energia.

Eles faziam a venda, instalação e manutenção de padrões de casas.
Os investigadores flagraram os suspeitos chegando ao local transportando alguns materiais no automóvel. Na abordagem foi encontrado um padrão de energia na carroceria do veículo. Perguntados, eles contaram que tinham comprado em Cuiabá.

Os policiais apreenderam diversos padrões, fios, relógios de unidades consumidoras, uniformes com semelhantes ao da Energisa, além de lacres de produtos de utilidade única da empresa concessionária de energia.

Rafael e Junior foram conduzidos à delegacia junto com as apreensões. Os dois foram interrogados pelo delegado Guilherme de Carvalho Bertoli.

Os presos foram indiciados por crimes de furto, recepção e associação criminosa. Os materiais apreendidos foram avaliados pelos funcionários da empresa Energis, em aproximadamente R$ 150 mil.

Fonte: G1 MT