Léo Silva e Réver reeditam parceria no Atlético-MG e dividem status de capitão

Quatro anos após a saída, Réver volta ao Atlético-MG. Muita coisa mudou, menos a liderança técnica na zaga do Galo: era Leonardo Silva em 2015, e ainda é ele em 2019. O atual capitão está perto da aposentadoria, vai parar no meio do ano, mas, até lá, o Atlético-MG tem, no elenco, os dois principais capitães que teve nesta década. É uma parceria que deu muitas alegrias aos dois, ao clube e, claro, ao torcedor.

O momento é completamente diferente. Léo, aos 39, já está bem mais veterano e com uma carreira fora das quatro linhas engatilhada, Réver teve passagens em Inter e Flamengo, mas não conseguiu repetir o sucesso que teve no Galo. E a concorrência, em 2019, será grande para os dois. A direção atleticana investiu muito no setor defensivo nesta janela de transferências. Trouxe Igor Rabello, que chega com status de titular. E ainda tem Maidana, que terminou o ano passado jogando.

Não há, portanto, nenhuma garantia que Léo e Réver jogarão juntos novamente. Pode acontecer, mas a formação dessa dupla como titular depende de Levir Culpi. O atual capitão comenta.
Fato é que Léo Silva e Réver vão dividir, assim como faziam no primeiro momento da parceria, o status de capitão. Os dois têm perfil de liderança e são muito vencedores no clube. Leonardo comemorou o retorno do antigo parceiro e explicou como foi o reencontro.

– Foi muito bom, matamos a saudade e iniciamos a colocação dos assuntos em dia, para que a gente consiga se entrosar novamente e fazer um grande trabalho. Foi muito bom rever um amigo depois de tanto tempo. O futebol nos une e nos separa também, Reencontrá-lo foi muito bom, a gente espera ter a mesma afinidade que tínhamos anteriormente. Todos têm a mesma responsabilidade quando vestem a camisa do Atlético. Temos vários líderes. Chega mais um para contribuir e ajudar na campanha e na temporada – disse.

Léo Silva falou, também, sobre a divisão de responsabilidades e a riqueza de capitães no grupo.
– Nós temos vários jogadores elegíveis para essa função (de capitão). É uma função determinada pelo treinador. O Réver é mais um líder que chega para compor e dividir essa liderança que o Atlético precisa. Marcou história, tem uma história muito bonita do clube, é o capitão da maior conquista que o clube tem até hoje. Vamos conversar bastante, com todos os outros jogadores também, para que tudo se encaixe perfeitamente. Tudo é dividido em igualdade, todos têm a mesma responsabilidade quando vestem uma camisa gigante como a do Atlético. Temos vários líderes que aqui estão. Chegou mais um para contribuir, ajudar nessa temporada. Temos como objetivo grandes conquistas.

Novo companheiro
O maior zagueiro artilheiro da história do Atlético-MG também falou sobre Igor Rabello. Apesar de jovem (23 anos), o defensor que chega do Botafogo também tem perfil de liderança. Questionado sobre ele e sobre o velho amigo Réver, Léo Silva fez vários elogios aos dois.

– Dois jogadores que fizeram uma excelente temporada no ano passado. O Réver dispensa comentários, está em excelente forma e vai contribuir com a experiência e qualidade técnica, além da liderança. O Igor se destaca por tudo que fez no Botafogo, vigor físico, capacidade técnica e liderança. São jogadores que chegarão para contribuir e fortalecer ainda mais o sistema, a equipe. Dois excelentes jogadores, que se destacaram na temporada passada e hoje fazem parte do Atlético, vestindo essa camisa e honrando, como profissionais de qualidade – concluiu.
Vale lembrar que, além de Igor Rabello, a dupla Léo-Réver também tem a concorrência de Iago Maidana, jovem zagueiro que terminou a temporada 2018 como titular. Levir está bem servido de defensores. Completam o grupo na posição os zagueiros Martín Rea (no Galo por empréstimo) e Matheus Stockl (revelado pelo clube).