Sinop: presídio tem 956 presos e desembargador aponta necessidade de ampliar estudos e oferta de trabalho

Fonte: Só Notícias (foto: Christiano Antonucci)

O Grupo de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Penitenciário inspecionou, esta tarde, o presídio Ferrugem que está com 499 reeducandos condenados e 457 provisórios, totalizando 956 pessoas. Em seguida houve audiência, no período da tarde, com a participação de juízes, vereadores e dirigentes instituições públicas. O supervisor do grupo, desembargador Orlando Perri, apontou a importância de ampliar a oferta de trabalho extramuros e de qualificação profissional. “A oportunidade de estudar também deve ser priorizada. Temos constatado que a maioria deles não possui Ensino Fundamental completo, e este é um aspecto fundamental para a ressocialização. Além disso, é necessário vencer o preconceito social que ainda existe é uma barreira para o acesso de recuperandos e egressos ao mercado de trabalho”, destacou Perri.

O Ferrugem tem atualmente 80 vagas para estudos nos Ensinos Fundamental e Médio. Em atividades laborais há 55 reeducandos, sendo 43 intramuros. Dos 12 que fazem trabalhos extramuros, dois são remunerados.

Aos 49 anos, C.C.R. é encarregado da manutenção geral da unidade há cerca de três anos. Ele cumpre pena há 13 anos em Sinop, depois de ter passado por outras duas unidades penais, com o total de 16 anos no sistema penitenciário do estado. Ele afirmou que a oportunidade de trabalhar é muito valiosa. “É uma chance de voltar a ter contato com outras pessoas e aprender coisas novas, e também conseguimos ganhar a confiança dos agentes e servidores que convivemos no dia a dia. Para mim, é muito importante, um incentivo para mudar de vida, que é o que quero quando sair”, ressaltou ele que cumpre pena por sequestro e assalto.

A penitenciária promove ainda projetos de horta interna, produção de abacaxi (na parte externa da unidade), marcenaria, serralheria e fabricação de bolas. Também terá início o projeto de fábrica de blocos e o Projeto Revida, de corte e costura. A sala acabou de ser equipada com oito máquinas de costura e os reeducandos serão qualificados para a atividade.

De acordo com o diretor da unidade, João Batista Borba, atividades como estas visam preparar os reeducandos para a ressocialização. “Nossa intenção é justamente evitar que haja reincidência e que eles tenham uma perspectiva de trabalho e estudo quando estiverem em liberdade, pois sem esta preparação o processo de reintegração torna-se prejudicial tanto aos recuperandos quanto à sociedade”.

O secretário estadual de Segurança Pública, Alexandre Bustamante, destacou que este é um trabalho que precisa ser feito de forma conjunta e gradativamente, diante da situação econômica atual, já que a atual gestão herdou R$ 140 milhões de restos a pagar na área de segurança. “Queremos fazer a nossa parte, vamos tentar criar alternativas, não existe solução milagrosa, mas para conseguir melhorias precisamos da participação das prefeituras, do Poder Judiciário, OAB-MT (Ordem dos Advogados Brasileiros Seccional Mato Grosso), da sociedade, iniciativa privada, enfim, é uma construção que precisa do envolvimento de todos”.

Ele frisou ainda o trabalho de limpeza que foi feito dentro da Penitenciária Central do Estado (PCE), em Cuiabá, como o exemplo de uma mudança necessária à realidade daquela unidade. “Nós tiramos tudo de dentro das celas, higienizamos, limpamos, pintamos, tiramos as tomadas, recolhemos cadernos com anotações de integrantes destas organizações criminosas, retiramos 550 chips e 171 celulares, mudamos procedimentos internos, e hoje temos outra realidade”, explicou o titular da secretaria de Segurança Pública.

A informação é da secretaria adjunta de Comunicação.